segunda-feira, 18 de junho de 2012

Parte 3 - As Pessoas

Resumo das postagens anteriores:
_______________________________________________________________________
Minha mama começou a sangrar espontaneamente. - Parte 1
Os primeiros médicos não encontravam a causa do sangramento. O sangramento aumentou muito. Surgiu a suspeita de que eu teria um papiloma intraductal. - Parte 2
_______________________________________________________________________

Enquanto eu tentava esconder o meu problema, minha mãe contou para todo mundo que ela encontrava. Cada um dizia que conhecia um médico muito bom e me indicava. Eu perguntava o que esse médico tinha feito para elas acharem que são tão bons. Elas respondiam que não tiveram nenhum problema parecido, nem nada grave, mas que o consultório era cheio (como se isso indicasse que o médico é bom), e que os médicos as tratava muito bem, eram atenciosos (atenciosos ou tinham muita paciência para lidar com tanta asneira?). Pelo amor de Deus, eu estou com um problema grave e as pessoas estão brincando comigo? É isso? Indicando médicos que nem sabem se é bom mesmo. Fazendo com que eu perca o meu tempo. Será que elas não sabem que eu trabalho? Será que elas nunca trabalharam pra saber que por mais que um chefe entenda seu problema e permita que você saia todo dia para consultas ou exames, sempre tem alguém que acha que você está saindo do trabalho pra passear? Minha própria mãe fazia isso. Ela dizia:
- Marque uma consulta com a minha médica. Ela é muito boa.
- É? Ela fez o quê?
- Nada. Eu sei que ela é boa.
- Você já soube de algum caso que ela resolveu parecido com o meu?
- Não.
- Você já viu ela cuidar de algum caso grave?
- Não.
- Então como você sabe que a médica é boa?
- Porque eu sei.

Esqueci de dizer que as pessoas às vezes têm um poder de adivinhação incrível na hora de indicar um médico. Elas diziam coisas que podiam ser traduzidas para:

“Eu nunca vi esse médico resolver nenhum caso grave, mas estou sentindo que com você ele vai acertar”
“Esse médico normalmente é péssimo, mas o seu caso eu tenho certeza que ele vai explicar direitinho”
“Uma vez a minha médica me disse que o signo dela é libra o que combina muito com o seu. Por isso eu acho que ela é ótima para o seu caso. Anote o número dela.”
“O meu tio avô (que nem tem seios) teve uma dor de barriga terrível e foi para esse médico. Eu acho que você deveria ir também. Esse médico é ótimo.”

Outra coisa que não ajudava em nada era a vontade das outras pessoas de me ajudar. Por acaso eu pedi? Estava eu muitas vezes curtindo um bom papo ou rindo ou assistindo um filme, ou namorando, simplesmente tentando esquecer esse problema. Mas, as pessoas interrompiam tudo para perguntar “como está a sua mama?” E começavam uma choradeira incrível, transparecendo que estavam com muita pena de mim, que o meu caso é muito grave. Eu me sentia à beira da morte. E o que eu estava mesmo fazendo de divertido antes dessa pessoa me atrapalhar? Nem me lembrava mais, de tão mal que eu ficava. O que as pessoas têm na cabeça, heim? Ao invés de te botarem pra cima, não, claro que não, elas gostam mesmo é de um drama. E se você não gosta? Problema seu, pois elas gostam e não importa se você se machuca com isso.
Clique no botão g+1 abaixo para divulgar a página!

Próxima Postagem: Parte 4

Um comentário:

  1. Olá! Chamo-me Paula, Portugal e também fiz uma mastectomia radical ao seio esquerdo com retirada de 16 ganglios linfáticos, 14 deles infectados. No meu caso, primeiro fiz a quimio, 8 sessões, depois cirurgia e radio. O meu seio também sangrava espontaneamente. Passai pelo fórum da mama e vi o seu blog e vim dar uma vista de olhos.
    No meu caso, todas as pessoas, ou praticamente todas, a quem contei o que se passava comigo, afastaram-se, como se a nossa doença fosse algo contagioso!!!! Este Natal nem mensagem de Boas Festas recebi!! A minha melhor amiga, que eu considerava, desde os 10 anos, teve a frieza e a coragem de amamentar a filha várias vezes à minha frente, sem perguntar se isso me incomodava ou sem se desviar, como se nada se tivesse passado comigo e tudo isto, pouco tempo depois de eu ter sido operada e tê-la visitado com o meu namorado, para supostamente recuperar um pouco psicologicamente e esquecer este enorme sofrimento. Até hoje, já passaram 2 meses e nem um pedido de desculpas. Eu tive de sair de casa dela porque fiquei de tal forma em choque que não parava de chorar.... só as mulheres que passam por estas situações sabem o que é de facto, de forma que quis partilhar esta situação. Muita força e muita coragem. Tenho conta no fórum. Se quiser, pode-me procurar para algo. Estou ao dispor, ou então, em paulaferreira28@hotmail.com

    ResponderExcluir