segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Parte 30 - Fazendo a Cirurgia

Postagem abaixo do resumo

Resumo das postagens anteriores:
__________________________________________________________________________________________________________
Minha mama começou a sangrar espontaneamente: Parte 1
Os primeiros médicos não encontravam a causa do sangramento enquanto ele aumentava: Parte 2
Algumas pessoas, na tentativa de ajudar, acabavam atrapalhando: Parte 3
Mais 4 médicos não conseguiram diagnosticar o meu problema: Parte 4
Veja o que os planos de saúde são capazes de fazer para atrapalhar o seu tratamento: Parte 5
O último médico decidiu fazer uma cirurgia e eu resolvi procurar uma segunda opinião: Parte 6
A médica-anjo pediu outra ultrassonografia, mas o resultado foi que tudo estava normal: Parte 7
Aconteceu a coisa mais importante e surpreendente de todo o meu tratamento: Parte 8
A médica-anjo pediu uma ressonância e uma nova citologia e me encaminhou para o 8º médico: Parte 9
Depois de muita luta consegui a autorização para a ressonância: Parte 10
A ressonância só mostrou um a área estranha: Parte 11
A médica-anjo indicou que eu fizesse uma cirurgia com o médico grosso: Parte 12
Deus fez mais um milagre e minha médica indicou que eu fizesse uma Core Biopsy: Parte 13
O médico grosso se negou a prescrever a Core Biopsy: Parte 14
Resolvi pagar pela Core Biopsy: Parte 15
Fiz a Core Biopsy: Parte 16
Descobri que tinha câncer e fiquei desesperada: Parte 17
Confirmei com a médica que eu tinha mesmo câncer e continuei desesperada: Parte 18
Encontrei meu namorado, contei aos meus pais e me despedi da vida: Parte 19
Lembrei que Deus tem um propósito para tudo, fui para uma festa e me diverti: Parte 20
Superando a notícia: Parte 21
Minha cirurgia será radical: Parte 22
Desabafei a dor em lágrimas: Parte 23
Desabafei com amigas e voltei ao trabalho para esquecer: Parte 24
Fui me preparando para a cirurgia, pesquisando sobre reconstruções e me acalmando ao ver plásticas perfeitas: Parte 25
No dia anterior a cirurgia fiz dois exames: uma linfocintilografia e um agulhamento: Parte 26
Finalmente me internei e passei a noite muito nervosa: Parte 27
Levaram-me para a cirurgia: Parte 28
Fiquei um tempo esperando no corredor do bloco cirúrgico: Parte 29
__________________________________________________________________________________________________________
Na sala cirúrgica. Todos começaram a se posicionar, se preparar e preparar seus instrumentos de trabalho. Em seguida minha médica chegou com aquele sorriso que me acalma. Veio também o pai dela, o qual iria me operar junto com ela. Minha médica o apresentou a mim e ele logo me elogiou, dizendo que eu era muito bonita. Então eu brinquei dizendo que alguma coisa de bonito tinha que sobrar depois de perder uma mama. Em seguida vi alguém vindo com uma tábua enorme vindo para perto de mim. Pensei brincando comigo mesma: “então é assim que vai ser minha anestesia? Uma paulada na cabeça?”. Então eles pediram que eu levantasse um pouco o tronco e puseram a tábua embaixo perpendicularmente para apoiar meus braços abertos. Fiquei então na posição de crucificação. Foi particularmente interessante me lembrar de Cristo na cruz nesse momento. Eu me sentia totalmente vulnerável, mas ao mesmo tempo protegida por Deus.


“Go ahead, make my day” (Vá em frente, faça meu dia), de ‘Impacto Fulminante’ (1983).

Em seguida, uma mocinha começou a pegar o meu braço esquerdo, à procura de uma boa veia na minha mão. Ela demorou um pouco procurando e eu fiquei olhando, preocupada, pois minhas veias são muito fáceis de localizar. Mas, em seguida, do meu outro lado, minha médica começou a conversar com seu pai, explicando o que queria fazer no meu caso, que primeiro queria retirar uma região da minha mama, possivelmente para repensar a possibilidade de preservar uma parte dela. Bom, isso foi apenar o que eu entendi do assunto médico. De repente senti uma picada na mão onde a moça procurava uma veia. Finalmente ela tinha achado uma boa veia para furar. Voltei a prestar atenção na conversa dos médicos, respondi umas perguntas bobas e depois percebi que estava um pouco tonta, então virei o rosto para a moça que tinha furado a minha veia e perguntei:
- Você já começou a me dar a anestesia, não foi?
- O que?
- Você já começou a...
Em seguida eu apaguei.
Clique no botão g+1 abaixo para divulgar a página!

Próxima Postagem: Parte 31

5 comentários:

  1. Você é uma vencedora,sei e estive presente em grande parte do seu sofrimento. Quero que Deus continue te abençoando. BEIJOS; SUA MÉDICA ANJO

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus, que belo depoimento!! E ainda com o comentário da sua médica-anjo, inspirada por nossos amigos espirituais e terrenos. Vc é muito abençoada, Maíra, e que Deus, Nosso Pai, permita que seja assim sempre e sempre!

    ResponderExcluir
  3. Ai que lindo, ela viu...bjus

    ResponderExcluir
  4. Nossa essa sua médica é um anjo mesmo. Bjs linda.

    ResponderExcluir
  5. Nossa essa sua médica é um anjo mesmo. Bjs linda.

    ResponderExcluir