sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Parte 44 - Chances de Infertilidade

Antes, veja o resumo das postagens anteriores (ou vá direto à postagem no final):
__________________________________________________________________________________________________________
Minha mama começou a sangrar espontaneamente: Parte 1
Os primeiros médicos não encontravam a causa do sangramento enquanto ele aumentava: Parte 2
Algumas pessoas, na tentativa de ajudar, acabavam atrapalhando: Parte 3
Mais 4 médicos não conseguiram diagnosticar o meu problema: Parte 4
Veja o que os planos de saúde são capazes de fazer para atrapalhar o seu tratamento: Parte 5
O último médico decidiu fazer uma cirurgia e eu resolvi procurar uma segunda opinião: Parte 6
A médica-anjo pediu outra ultrassonografia, mas o resultado foi que tudo estava normal: Parte 7
Aconteceu a coisa mais importante e surpreendente de todo o meu tratamento: Parte 8
A médica-anjo pediu uma ressonância e uma nova citologia e me encaminhou para o 8º médico: Parte 9
Depois de muita luta consegui a autorização para a ressonância: Parte 10
A ressonância só mostrou um a área estranha: Parte 11
A médica-anjo indicou que eu fizesse uma cirurgia com o médico grosso: Parte 12
Deus fez mais um milagre e minha médica indicou que eu fizesse uma Core Biopsy: Parte 13
O médico grosso se negou a prescrever a Core Biopsy: Parte 14
Resolvi pagar pela Core Biopsy: Parte 15
Fiz a Core Biopsy: Parte 16
Descobri que tinha câncer e fiquei desesperada: Parte 17
Confirmei com a médica que eu tinha mesmo câncer e continuei desesperada: Parte 18
Encontrei meu namorado, contei aos meus pais e me despedi da vida: Parte 19
Lembrei que Deus tem um propósito para tudo, fui para uma festa e me diverti: Parte 20
Superando a notícia: Parte 21
Minha cirurgia será radical: Parte 22
Desabafei a dor em lágrimas: Parte 23
Desabafei com amigas e voltei ao trabalho para esquecer: Parte 24
Fui me preparando para a cirurgia, pesquisando sobre reconstruções e me acalmando ao ver plásticas perfeitas: Parte 25
No dia anterior a cirurgia fiz dois exames: uma linfocintilografia e um agulhamento: Parte 26
Finalmente me internei e passei a noite muito nervosa: Parte 27
Levaram-me para a cirurgia: Parte 28
Fiquei um tempo esperando no corredor do bloco cirúrgico: Parte 29
Entrei na sala de cirurgia e apaguei com a anestesia: Parte 30
Na volta da anestesia senti frio e era difícil me manter acordada: Parte 31
Falava dormindo e continuava sem conseguir ficar acordada: Parte 32
Recebi visitas da minha médica, meu pai, meu namorado e algumas amigas: Parte 33
Estava cada vez mais agitada e querendo me levantar. Lutei para fazer xixi e evitar a sonda: Parte 34
Tomei uma sopa com cuidado para não ficar enjoada, levantei e finalmente fiz xixi: Parte 35
Tomei o restante da sopa e estava me sentindo muito bem: Parte 36
Cuidei bastante do dreno e tentei movimentar o braço: Parte 37
Não tive coragem de ver a troca de curativos: Parte 38
Preocupei-me com o dreno, recebi visitas e fiquei sabendo das histórias de quando eu estava anestesiada: Parte 39
Por causa da minha idade, eu fui o caso mais comentado do hospital: Parte 40
Passei o dia ansiosa pela alta: Parte 41
Recebi alta e tive consultas uma vez por semana com a mastologista. Também iniciei a fisioterapia e fiz exames para levar ao oncologista: Parte 42
Soube que tenho a chance de não poder mais engravidar depois da quimioterapia: Parte 43
__________________________________________________________________________________________________________
Perguntei ao médico quais as chances que eu não voltasse a menstruar depois da quimio, ele disse que eu teria em torno de 20% de chance de não poder engravidar. Ele me disse que essa chance era muito grande na medicina, e para mim também era. Essa probabilidade aumenta com a idade, então na minha idade esse percentual é pequeno assim. O médico me aconselhou a procurar uma clínica de reprodução humana, mas adiantou que lá eles me sugeririam congelar óvulos, mas para isso eu teria que tomar hormônios que induzem a ovulação e isso seria prejudicial para a minha saúde. Então a escolha era entre congelar óvulos e correr o risco de ter câncer novamente ou não tomar hormônios e correr o risco de nunca poder engravidar. Era uma decisão muito difícil para mim. Tentei me controlar para encerrar a consulta sem chorar e assim conseguir ser racional e perguntar tudo o que eu precisava saber.

“Why so serious?” – “Por que tão sério?” – Batman

Eu imagino que muitas pessoas acham que não tem o que pensar e que eu tenho que optar pela minha saúde. Mas, só sabe o quanto é difícil, quem é louco para ter um filho. Para mim, imaginar uma vida inteira sem passar pela dádiva de engravidar e dar a luz a uma criança é tão ruim que, dependendo do risco, eu assumiria a possibilidade de piorar o meu quadro. Não consigo imaginar a minha vida sem engravidar. Sonho com isso desde muito pequena. Planejei isso a minha vida toda.
Clique no botão g+1 abaixo para divulgar a página!

Próxima Postagem: Parte 45

Nenhum comentário:

Postar um comentário